Comunidade de Buenos Aires

Comunidade de Buenos Aires

San Martín 1039, 1004 Buenos Aires


Telefone: +54 11 4312-2314
E-mail: basilicasantisimosacramento@hotmail.com.ar
Site: http://www.sacramentinos.org.ar/

HORAS DE VERÃO
(De 21 2015 de dezembro a 29 de fevereiro de 2016)
Missas
Segunda a Sábado: 8 e 19 h.
Domingo: 9, 11 e 19:30 h.
Rosário e bênção
Todos os dias: 18:25 h.

Adoração eucarística
Segunda a Sábado: das 8:30 às 12 e de 17 a 19 h.
Domingo, das 17 às 19h30 h.

Igreja aberta
Segunda a Sábado: 8 a 12 e de 17 a 19:30 h.
Domingos, das 9 às 12 e das 17 às 20:30 h.

Confissões
Meia hora antes de cada missa da tarde.

Secretaria paroquial
Segunda a Sexta das 10 às 13 h.

 

Congregação do Santíssimo Sacramento

“Tentamos compreender toda a realidade humana à luz da Eucaristia, fonte e ápice da vida da Igreja”

O fundador: São Pedro Julião Eymard

São Pedro Julião Eymard nasceu em La Mure (Grenoble, França), 04 de fevereiro de 1811. Desde a infância ele tinha uma fé marcada pela Eucaristia e decidiu tornar-se padre no dia de sua Primeira Comunhão.

Foi ordenado sacerdote no seminário diocesano de Grenoble em 20 de julho de 1834 e celebrou sua primeira missa no santuário mariano de Osier. Durante seu período como um sacerdote diocesano (1834-1839), ele foi coadjutor em Chatte e depois pároco em Monteynard. Depois que ele entrou na Companhia de Maria, recentemente fundada pelo padre Colin.

No início, sua espiritualidade foi impregnado com uma ascese penitencial, por causa da influência do jansenismo. Mas depois, ele evoluiu para uma visão positiva da vida e do amor de Deus que, especialmente se juntou a Eucaristia, sacramento do amor por excelência.

Ser Superior Provincial visitou Paris em 1849, onde conheceu o fundador do reparadora Adoração, Mãe Marie-Thérèse Dubouché e que seria o seu primeiro parceiro na fundação da obra eucarística: Contagem Raymundo De Cuers.

Em 1851, no santuário mariano de Fourvière (Lyon), viveu uma profunda experiência espiritual, onde compreendeu a necessidade da Eucaristia para a renovação da vida cristã e à formação de sacerdotes e leigos.

Em 13 de maio de 1856, em Paris, fundou um novo instituto religioso: a Congregação do Santíssimo Sacramento. Mais tarde, ele acrescentou um ramo feminino ao seu trabalho, as Servas do Santíssimo Sacramento e inspirou o nascimento da Associação de fiéis sacerdotes e leigos eucarística Agregação.

San Juan Bautista Vianney conheci e disse dele: “Ele é um santo. O mundo se opõe ao seu trabalho porque ele não sabe, mas é um negócio que vai conseguir grandes coisas para a glória de Deus. Diga ao Eymard perguntar diariamente para o seu trabalho “. Ele era um apóstolo incansável de comunhão freqüente. Seu ideal estava sendo moldado pela Eucaristia como sacramento de amor, no centro da vida das pessoas e comunidades.

Exausto pelas responsabilidades e trabalho contínuo, entregou sua alma a Deus em La Mure, sua cidade natal, o primeiro de agosto de 1868. Ele é chamado o apóstolo da Eucaristia e, como tal, foi introduzido no calendário universal Igreja , que celebra sua memória em 2 de Agosto de cada ano. Em 12 de julho de 1925 foi beatificada pelo Papa Pio XI e canonizado pelo Beato João XXIII em 09 de dezembro de 1962.

Espiritualidade

A visão eucarística da Congregação do Santíssimo Sacramento sublinha a presença real de Jesus: “Feliz a alma que sabe como encontrar Jesus na Eucaristia e da Eucaristia Jesus todas as coisas”. Além disso, ele intui neste presença de uma fonte de dinamismo: “A Eucaristia é graça apostólica; Jesus está presente ali, pois para Ele, n’Ele, por Ele. ” Esta fé é alimentada pela Eucaristia, meditação da Palavra de Deus e adoração eucarística.

A presença real de Cristo é dada na Assembléia do Povo de Deus, reunidos em seu nome, o sacerdote representa Cristo, a Palavra de Deus, e uma excelente maneira de os pães de especiarias e vinho consagrados. Por sua vez, a espiritualidade sacramentina não se limita à contemplação eucarística, mas vê no serviço Eucaristia a este último, o “dom de si”, como ele chamou Pedro Julian. “Nós não podemos viver a Eucaristia sem ser animados pelo mesmo espírito que levou Cristo para dar a sua vida para o mundo.”