Notícias › 11/06/2021

Igreja Católica: bem comum e vacina para todos!

O Papa Francisco e as conferências episcopais em todo o mundo estão se tornando os principais defensores das vacinas para os pobres

Segundo a doutrina católica, vacinar-se é uma questão de consciência. Então, por que os líderes católicos estão se empenhando em favor da igualdade na vacinação?

Os princípios da Doutrina Social Católica oferecem a resposta. Esses princípios, compartilhados por muitas pessoas de boa vontade, são:

  • a Dignidade da Pessoa Humana
  • o bem comum
  • a solidariedade,
  • a subsidiariedade
  • e a opção preferencial pelas pessoas vulneráveis

Com esses princípios da Doutrina Social Católica em mente, a Associação Católica de Saúde dos Estados Unidos ofereceu as seguintes diretrizes para superar os obstáculos a uma distribuição justa das vacinas.

1. As vacinas devem ser comprovadamente seguras e eticamente testadas

A advertência médica tradicional do Primum non nocere, “Primeiro, não faça mal”, deveria nos conduzir. O amplo apoio público requer vacinas comprovadamente seguras. Além disso, o fardo dos testes deve ser compartilhado por todos, e não apenas por alguns, como os pobres ou os que vivem em países em desenvolvimento.

2. As vacinas devem ser comprovadas como cientificamente eficazes

Os governos e os tomadores de decisão internacionais devem seguir as evidências científicas, em vez de se apressar em adotar vacinas por conveniência política ou econômica. Manter o apoio público e a confiança na eficácia das vacinas é fundamental para responder à covid-19 e outras crises de saúde pública.

3. O desenvolvimento de vacinas deve respeitar a dignidade humana

O processo de desenvolvimento de vacinas deve respeitar a dignidade humana de todas as pessoas e proteger a santidade da vida humana em todas as fases. Destruir deliberadamente vidas humanas inocentes para salvaguardar outras vidas é eticamente errado.

4. As vacinas devem ser distribuídas de forma equitativa, com prioridade para aqueles em maior risco

Uma vez que haja garantia de que vacinas seguras estão disponíveis, a distribuição deve primeiro considerar as populações identificadas como de maior risco de sofrer danos causados pela covid-19. Os grupos de risco variam de um lugar para outro.

Em muitas áreas, sabemos que os idosos, as minorias raciais e étnicas carregam os maiores fardos. Autoridades estaduais e locais, em conjunto com profissionais de saúde e líderes comunitários, devem identificar quais populações estão em maior risco em suas jurisdições e devem agir para protegê-las.

O bem comum requer a manutenção de serviços essenciais para o bem-estar da comunidade. Portanto, pode haver necessidade de priorizar os profissionais de saúde e serviços essenciais de linha de frente para que nosso sistema de saúde continue a fornecer tratamentos em meio a essa pandemia.

5. Os esforços para desenvolver e distribuir vacinas eficazes devem enfatizar o princípio da solidariedade

A pandemia global requer trabalho conjunto, nacional e internacionalmente, para alcançar um propósito comum. Por meio do fortalecimento e do apoio às organizações internacionais existentes e às estruturas de compra e distribuição coletiva, podemos ajudar a garantir que todas as pessoas tenham acesso à vacina, ao mesmo tempo em que minimizamos a competição global e doméstica, que aumenta os preços de suprimentos limitados.

6. Alinhada com o princípio da subsidiariedade, a distribuição de vacinas eficazes deve envolver as comunidades locais

Entidades governamentais locais, prestadores de cuidados de saúde, organizações sem fins lucrativos, líderes religiosos e comunitários devem trabalhar em parceria para construir confiança e garantir a distribuição equitativa de vacinas. Essas parcerias são essenciais para atender às necessidades locais, desenvolver a conscientização sobre as vacinas e proteger os indivíduos e comunidades que costumam ser negligenciados ou esquecidos.

FONTE: ALETEIA.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.